Untitled Document Boa noite, seja bem vindo! - Quinta-feira,   -  
 
Dicas de Saúde / Psicologia
 
DIABETES MELLITUS
Visualizações : 1185
O Diabetes é uma doença metabólica em que o organismo é incapaz de utilizar completamente os açúcares, que aumentam anormalmente no sangue. Isso acontece porque: ou a Insulina, hormônio responsável pela entrada da glicose nas células não está presente ou está presente em quantidades insuficientes ou porque há o mau funcionamento ou diminuição dos receptores (portas) que permitem que a insulina promova a entrada da glicose nas células. A doença caracteriza se por: capacidade diminuída de metabolizar carboidratos, aumento na concentração de glicose no sangue (hiperglicemia) e excreção de quantidades razoáveis de glicose na urina (glicosúria).
Todo o sistema endócrino é envolvido, principalmente o Pâncreas, que não produz ou produz quantidades insuficientes de insulina.
As manifestações podem aparecer na infância/juventude, Diabetes Juvenil (Tipo1) ou na idade adulta (Tipo2). O diabetes juvenil começa subitamente e logo manifesta sintomas severos e requer insulina para seu controle, enquanto o diabetes adulto desenvolve se gradativamente, com sintomas mais suaves e pode ser controlado por dieta e medicamentos orais. Os tipos 1 e 2 podem ser herdáveis, porém o tipo 1 é a mais característica em resultado de herança genética. Já o tipo 2 é desencadeada normalmente por hábitos não saudáveis, sendo a chance de adquiri la maior com o avanço da idade. Acomete principalmente os obesos, hipertensos e que possuem alterações lipídicas (colesterol, triglicérides). A descompensação do diabetes na idade adulta é geralmente associada ao excesso de peso. A cada aumento de 20 do peso, a chance de tornar se diabético duplica. Doenças infecciosas como gripe, pneumonia, acidentes ou traumas, uso prolongado de corticóides ou o stress fisiológico da gravidez podem precipitar sintomatologia diabética.
A incidência do diabetes vem aumentando consideravelmente.
Quando os sintomas estão presentes, eles geralmente incluem aumento da sede, do volume urinário e do apetite, acompanhados de cansaço e perda de peso. Prurido vulvar, infecções da pele ou irritação e distúrbios visuais estão frequentemente presentes. A sensação de cansaço e perda de peso resultam da fome, já que o organismo é incapaz de utilizar o alimento. A glicose proveniente de carboidratos, proteínas e gordura da dieta e do glicogênio hepático mantém o nível de glicose no sangue.
A glicose, com a ação da insulina, é normalmente utilizada pelo corpo de várias maneiras: (1) obtenção de energia de imediato (2) pode ser convertida em glicogênio para armazenamento no fígado (3) pode ser convertida em gordura para armazenamento no tecido adiposo ou (4) pode ser convertida em glicogênio muscular. O diabético, com pouca ou nenhuma atividade insulínica perde a capacidade de executar essas funções.
O tratamento inclui uso de Insulina Comercial Injetável (principalmente para o tipo1), Agentes Hipoglicemiantes Orais e Dieta.
O Tratamento Dietético do diabetes consiste, essencialmente, em reduzir e sistematizar a ingestão de carboidratos, para sobrecarregar o mínimo possível o mecanismo regulador deficiente da glicose sanguínea. A alimentação e dieta devem ser adequadas para cada tipo de diabetes e para o perfil do paciente. Ao nutricionista compete a orientação e elaboração de uma dieta adequada, com a participação do paciente, pois envolve mudanças de hábitos, principalmente os alimentares.

Complicações do Diabetes:
Complicações Vasculares Degenerativas: o paciente diabético deveria ter conhecimento de como a doença pode afetar seu sistema circulatório. Além de envolver os olhos (catarata), as complicações vasculares podem afetar os rins (nefropatia) e levar à insuficiência renal, cardíaca e das artérias coronárias, causando prejuízo das atividades físicas, e os membros (dermopatia), que são frequentemente lugares de degeneração suave ou extrema das artérias, resultando em gangrena de uma ou ambas as pernas. As feridas cicatrizam vagarosamente, especialmente nos pés. A neuropatia ou a deterioração do tecido nervoso também podem se desenvolver no diabético. O diabético é ainda altamente suscetível às infecções.
Um diabetes mal controlado pode apresentar complicações agudas como: cetoacidose diabética, hiperglicemia, coma diabético e amputação. E complicações crônicas como aterosclerose, hipertensão, tromboses e coágulos na corrente sanguínea, problemas dermatológicos, pé diabético (problemas neurológicos principalmente no pé, como perda da sensibilidade e propriocepção(consciência da posição do corpo)). Dificuldades em coagular o sangue, problemas metabólicos generalizados, fator de risco a periodontite.

Prevenção: os riscos do diabetes 2 podem ser reduzidos com mudanças na dieta e com o aumento da atividade física.

Prevenção das Complicações: quanto melhor o controle, menor será o risco de complicações. A educação do paciente, entendimento e participação é vital. É preciso conscientizar o paciente a se livrar de certos fatores: ronco, apnéia do sono, tabagismo, colesterol elevado, obesidade, hipertensão e sedentarismo. Manter um peso saudável, ter no mínimo 2 ½ horas de exercício por semana, não ingerir muita gordura e comer uma boa quantidade de fibras e grãos são recomendados.

Fontes:
Krause & Mahan, Alimentos, Nutrição e Dietoterapia
Wikipédia
 
Fonte : Enviado pela Colaboradora Ana Cristina de Freitas Publicado : 28/10/2010
Voltar
© 25/11/2007 - Paróquia São José / Diocese de Presidente Prudente SP - Fone (18) 3917 2500
Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvido por Delorean Tecnologia em Sistemas de Informação
www.deloreantecnologia.com.br - Contato (18)3222 6348